Home Brasil Lula era ‘cartão de visita’ da Odebrecht no exterior, afirma delator
Lula era ‘cartão de visita’ da Odebrecht no exterior, afirma delator

Lula era ‘cartão de visita’ da Odebrecht no exterior, afirma delator

0
0

O executivo da Odebrecht Alexandrino de Alencar afirmou, em delação premiada, que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva era um “popstar” em países da África e da América Latina. Segundo ele, o petista era um “cartão de visitas” da construtora. Alexandrino destacou a importância de que chefes de Estado soubessem que Lula tinha uma relação diferenciada com o grupo. De acordo com o depoimento, a empreiteira promovia palestras do ex-presidente para “vender o Brasil” e que convidava jornalistas e formadores de opinião para “mostrar a relação” da empresa com Lula.

Alexandrino alega ter sido apresentado ao ex-presidente por Emílio Odebrecht, em 1994. O patriarca do grupo havia conhecido Lula por meio do ex-governador de São Paulo Mário Covas (PSDB/1995/2001). “Na época o grupo estava iniciando uma investida extremamente agressiva na área de petroquímico. E, como essa área antes era estatal, precisávamos conversar com lideranças sindicais mais à esquerda de modo a tentar influenciá-los e mostrar que não era uma ruptura que estava acontecendo e sim uma continuidade de uma maneira mais competitiva e mais aberta”.

A relação teria continuado, segundo o diretor da Odebrecht, após o período em que Lula se elegeu à presidência da República. O interlocutor do grupo com o petista teria sido o homem forte do chefe do executivo Gilberto Carvalho, que recebeu o apelido de “seminarista” em trocas de e-mails de executivos da construtora. “Emílio tinha algumas reuniões com lula, se ficava alguma pendência de agenda depois eu cobrava o Gilberto. Ficou aquela pendência, como está andando? Ele fazia um follow up do que estava andando”.

Quando Lula viajava a países do exterior, ainda à época em que estava na presidência da república, a Odebrecht enviava documentos sobre a situação das obras da construtora no país para que o petista levasse durante as visitas. Usualmente, a “ajuda de memória” era elaborada por diretores da empreiteira nos países e passava pelo crivo de Marcelo Odebrecht, segundo relata o delator.

“Ele ia para o Peru, para o Panamá, onde tínhamos obras, então mandávamos uma ajuda de memória de uma página, não mais do que isso, para contextualizar o presidente nos assuntos do Panamá”, relatou.

Já à época em que havia saído da presidência, de acordo com os depoimentos da Odebrecht, a empreiteira teria financiado palestras do petista por meio do Instituto Lula. A primeira delas teria sido no Panamá, onde a Odebrecht tinha contratos para obras públicas. “Ele foi fazer uma palestra com empresários e a presença do presidente Martinelli. Depois, tivemos um jantar no qual estava o presidente Martinelli e voltamos para o Brasil. Formadores de opinião, a imprensa, as obras, isso tudo cria um ‘goodview’ interessante do país”.

Alexandrino de Alencar lembrou que os valores eram acertados com Paulo Okamotto, que usou, como preço a se cobrar, o “parâmetro Bill Clinton” e de outros “presidentes internacionais”, que cobravam na faixa de US$ 100 mil. “Subiu a régua e precificou US$ 200 mil. Que me conste, as quarenta e tantas palestras que ele fez foram todas US$ 200 mil dólares”.

“O Lula é uma figura nos países na África e América Latina, quase um ‘popstar’. Com respeito, então ele levava uma imagem positiva. Nós combinávamos, e que é muito público, que todo lugar que ele ia, ele fazia uma palestra. Uma palestra de vender o Brasil. Logicamente, que nosso pessoal lá estava por trás convidando formadores de opinião e jornalistas para mostrar essa relação nossa com ele”.

Segundo o delator, as palestras não “abriam portas”, mas eram um “cartão de visita muito importante o presidente do país saber que ele tinha uma relação diferenciada com o grupo”.

ISTOÉ, com Estadão Conteúdo

LEAVE YOUR COMMENT

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

COLUNAS EM DESTAQUE

Powered by moviekillers.com