Início Do Plenário Daniel Donizet propõe lei para dar mais segurança aos motoristas de aplicativos
Daniel Donizet propõe lei para dar mais segurança aos motoristas de aplicativos

Daniel Donizet propõe lei para dar mais segurança aos motoristas de aplicativos

1
0

A crescente violência envolvendo os motoristas de transporte por aplicativo fez com que o deputado Daniel Donizet (PSDB) criasse um Projeto de Lei (nº 717/2019) com uma série de medidas para aumentar a segurança desses profissionais.

O PL determina que, no ato do cadastro, o cliente seja obrigado a disponibilizar uma foto para poder ser identificado pelos motoristas. Há a previsão, também, de que sejam instaladas câmeras de monitoramento nos veículos. As imagens ficariam em um banco de dados das empresas durante um prazo de dois anos e só seriam disponibilizadas mediante ação judicial ou administrativa.

De acordo com a proposta, os veículos terão um botão do pânico, instalado em um local de fácil acesso do motorista para que possa ser acionado em casos de emergência.

A proposta do deputado Daniel Donizet, que já foi motorista de aplicativo, tem como objetivo alterar a lei 5.691/2016 que trata sobre o assunto e criar mais mecanismos de segurança. A mudança na legislação prevê que o destino da viagem seja mostrado assim que o motorista aceitar a corrida. “Ser motorista de aplicativo se tornou muito perigoso. São profissionais que vivem com medo e se arriscam todos os dias porque precisam trabalhar ”, disse o deputado Daniel Donizet.

Uma das medidas propostas permite que o motorista escolha a forma de pagamento: dinheiro ou cartão. “O projeto de lei prevê ainda indenização para os familiares em caso de morte do motorista durante a jornada de trabalho. O valor será baseado no quantitativo médio arrecadado pelo profissional”, explicou o distrital.

O Projeto de Lei é pioneiro no país e prevê também a redução do lucro das empresas em 30% durante a madrugada. Segundo o parlamentar, o valor seria repassado aos motoristas.

 

Para Moro, justiça tardia é justiça nenhuma

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, avaliou que uma mudança no entendimento sobre prisão após condenação em segunda instância pode ser interpretada pela sociedade como a volta da impunidade. “Pode ter efeito prático, em casos concretos, nesse sentido e ser avaliada a partir desses efeitos práticos. Porque isso vai postergar a eficácia, a execução de vários desses julgamentos criminais. E tem aquele velho ditado: justiça tardia é justiça falha. É justiça, às vezes, nenhuma”, afirmou.

O ministro Sergio Moro também considerou que o combate à corrupção no país enfrenta riscos além da operação Lava Jato. “Para que nós possamos avançar, nós precisamos de processos que sejam efetivos. Nós precisamos ter regras claras e, principalmente, a legislação penal tem que ser aplicada de maneira igual e imparcial a todos. Eu acho que existe sim alguma possibilidade de riscos, mas o retrocesso é mais no enfrentamento da corrupção, não propriamente à operação Lava Jato”, alertou.

O Supremo Tribunal Federal começou a julgar questionamento sobre a constitucionalidade do início do cumprimento da pena antes de o processo ser encerrado.

 

Combate ao crime em alta

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro destacou a redução nos índices de criminalidade no país e avaliou que um dos motivos para esse resultado é que “o governo federal e os governos estaduais adotaram um discurso um pouco mais consistente com a necessidade do enfrentamento da criminalidade”. Ele observou, ainda, outros fatores, como o recorde na apreensão de cocaína e a intensificação da política de cooperação com os países vizinhos para a erradicação da plantação de drogas.

A respeito das discussões sobre a legalização do uso de entorpecentes para fins recreativos, o ministro ressaltou que é contra o uso de drogas, disse que as drogas destroem famílias e alimentam o crime organizado. “Eu faço parte do governo do presidente Jair Bolsonaro, ele foi eleito e isso não é uma promessa da campanha dele, ao contrário, a campanha é no sentido de maior rigor e eu particularmente me inclino mais nesse sentido”.

 

Criminalidade em baixa

O número de homicídios caiu 22% em todo o país durante o primeiro semestre, em comparação com o mesmo período de 2018. A informação foi divulgada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública, com base em dados do Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública, Prisionais, de Rastreabilidade de Armas e Munições, de Material Genético, de Digitais e de Drogas (Sinesp).

Segundo o ministério, a redução de ocorrências também foi verificada nos outros oito tipos de crimes registrados na plataforma que reúne informações fornecidas pelos estados e pelo distrito federal, a partir de boletins de ocorrência das polícias civis.

Os casos de estupro caíram 12%. Tentativas de homicídio foram reduzidas em 9,4%. Também houve queda no total de latrocínios (-23,8%); lesão corporal seguida de morte (-3,2%); roubos contra instituições financeiras (-40,9%); roubo de carga (-25,7); roubo de veículo (-27%) e furto de veículo (-9,9%).

 

Brasil conta a crise

A desaceleração da economia global em 2019 e em 2020 imporá desafios a todos os países. O Brasil, no entanto, pode minimizar os efeitos da retração se prosseguir com medidas internas. Segundo economistas, o país precisa executar ações que vão da continuidade das reformas estruturais a medidas de estímulo da demanda, para que a recuperação econômica não seja afetada.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu, de 3,2% para 3%, a previsão de crescimento da economia mundial em 2019. O fundo também revisou para baixo a estimativa de 2020: de 3,5% para 3,4%. Desde 2017, quando a economia global cresceu 3,8%, o mundo vem passando por uma desaceleração.

Para o Brasil, o FMI ajustou a previsão de crescimento econômico em 2019 de 0,8% para 0,9%. No início do ano, a estimativa estava em 2,5%. Para 2020, o cenário para a economia brasileira deve ser melhor, mas o organismo internacional reduziu a projeção de crescimento de 2,4% para 2%.

Professor do Ibmec e economista da Órama Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários, Alexandre Espírito Santo diz que o Brasil pode sair relativamente ileso da desaceleração global se prosseguir com a agenda de reformas após a aprovação da reforma da Previdência.

Segundo o economista da Órama, dois fatores externos darão vantagem ao Brasil no próximo ano. O primeiro são os juros baixos em todo o planeta, o que deve continuar a atrair parte do capital financeiro para o país, mesmo com a taxa Selic – juros básicos da economia – no menor nível da história. O segundo é a instabilidade em países emergentes, como Argentina, o México e a Turquia, que, na avaliação dele, atravessam situações mais complicadas que o Brasil.

 

Abrindo mão de legislar

O Plenário da Câmara não deve apreciar a Proposta de Emenda à Constituição 410/18, que deixa clara a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância, enquanto o Supremo Tribunal Federal não decidir sobre o tema. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que não vai pautar a proposta antes dessa decisão.

Maia lembrou que, desde o início do ano, tem defendido a discussão da segunda instância por Proposta de Emenda à Constituição, e não por projeto de lei. “Ou o governo era a favor da constitucionalidade no projeto de lei, e tinha votos para aprovar isso em Plenário, ou era a favor da emenda constitucional. Na semana em que o ministro Toffoli decide pautar o julgamento da segunda instância, a CCJ volta com o tema, com o apoio do governo”, comentou.

 

Pacote Anticrime

Para o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, a votação do Pacote Anticrime do governo federal pelo Plenário será facilitada com a retirada da proposta da prisão após condenação em segunda instância e do excludente de ilicitude.

 

Micros geram empregos

As micro e pequenas empresas foram responsáveis por 75% das novas vagas de trabalho registradas em setembro. Segundo levantamento feito pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), negócios de pequeno porte geraram 119 mil dos mais de 157 mil postos de trabalhos com carteira assinada registrados no mês anterior. O número superou em 20% o saldo de agosto e em 23% o do mesmo mês de 2018. Para meses de setembro, o total representa o melhor resultado desde 2013.

Realizado com base no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério da Economia, o levantamento apontou que, no acumulado do ano, os pequenos negócios geraram mais de 670 mil vagas com carteira assinada, resultado 10% acima do igual período do ano passado.

As médias e grandes empresas (MGE) geraram 37,7 mil empregos, e a administração pública contribuiu com 492 postos de trabalho em setembro. Foram geradas 157.213 vagas no país no mês de setembro, de acordo com o Caged.

 

Dinheiro para universidades

O Ministério da Educação anunciou o descontingenciamento do orçamento das universidades federais, que foi possível a partir de um remanejamento do orçamento do MEC. “Cem por cento de todo o orçamento para o custeio das universidades federais e institutos estão sendo descontingenciados”, disse o ministro da Educação, Abraham Weintraub.

Segundo ele, o contingenciamento não chegou a prejudicar nenhuma das ações da pasta. “Foi feita uma boa gestão. Administramos a crise na boca do caixa. Vamos terminar o ano com tudo rodando bem”, acrescentou.

De acordo com o secretário executivo do ministério, Paulo Vogel, estão sendo liberados R$ 1,1 bilhão dos R$ 19,6 bilhões que já estavam previstos para as despesas discricionárias do MEC. Vogel disse que o valor está sendo realocado de outras despesas ministeriais.

 

(1)

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *