Início DF Movimento Moda Connect promove conceito Fashion For Good com workshops, premiações e desfiles
Movimento Moda Connect promove conceito Fashion For Good com workshops, premiações e desfiles

Movimento Moda Connect promove conceito Fashion For Good com workshops, premiações e desfiles

8
0

Em noite de lançamento, evento apresenta alternativas para um mercado de moda mais inclusivo, com consciência social e sustentabilidade. 26 de novembro, às 18h, no Clube Cota Mil de Brasília

Repensar a forma como as pessoas produzem e consomem moda: esse é o grande objetivo do movimento Moda Connect Brasília. A iniciativa abrange oficinas, workshops e desfiles, a fim de conectar experiências sustentáveis bem-sucedidas em diversas partes do mundo, além de debater questões importantes para o futuro do mercado. A noite de abertura será realizada no Clube Cota Mil de Brasília, no dia 26 de novembro, a partir das 18h. Inscrições na bilheteria do evento, com vagas limitadas, mediante a doação de 2kg de alimento não-perecível.

Moda Connect é uma iniciativa com base no conceito “fashion for good” (moda para o bem), proposto para pensar a sustentabilidade na moda, reunir consumidores e empresas da cadeia produtiva, focada na economia circular, onde o produto é concebido, produzido, utilizado e reciclado para um novo uso. Uma das porta-vozes do movimento é a professora Ana Beatriz Goldstein, que concebeu o projeto Rompendo Barreiras, de inclusão de pessoas com limitações físicas na cadeia produtiva.

A noite inicia sua programação com talk show com personalidades da moda de outros dois estados brasileiros: Geni Ribeiro e Paula Boldrini, de São Paulo, e Francisca Vieira, da Paraíba. Em seguida a marca Ana Carttori de maquiagem orgânica e vegana lançará sua linha de produtos no Brasil, e encerrando essa primeira parte, haverá  um  momento de  homenagens para  Malba Aguiar, Antonieta Continni e Márcia Lima , pessoas que influenciaram a moda e o desenvolvimento do artesanato e manualidades no Distrito Federal.

O desfile encerra a noite, com três  marcas participantes, levando para a passarela a proposta do Fashion For Good apresentada na prática  pela empresa paraibana Natural Cotton Color , com  sua coleção feita do algodão colorido da Paraíba , tecnologia  desenvolvida pela Embrapa sem uso de aditivos e corantes , sucesso no mercado nacional e internacional;  o grupo Concretamente Brasília, que apresentará  uma coleção com peças  artesanais  e  complementos confeccionados pelos jovens do  projeto Rompendo Barreiras, utilizando a robótica para demonstrar  a capacidade criativa e produtiva de jovens com  limitações físicas como  tetraplégia e paraplegia ;  e a  coleção  de estilistas descobertos em edições do Capital Fashion Week.

O movimento traz o conceito “fashion for good” para Brasília propondo olhar o mercado fashion sob diferentes perspectivas, valorizando o processo criativo do intelectual ao manual, desde quem cultiva o insumo, tece o fio, até quem opera a máquina, seja ela de costura ou mediada por computador.  Também valoriza a diversidade nas criações, a manualidade, a artesania, a tecnologia e a sustentabilidade na utilização dos insumos, da água, tingimentos e outros materiais durante o processo, buscando   soluções inovadoras a partir da tendência mundial que pergunta Who Made My Clothes? (Quem fez minhas roupas?).

“Temos como missão a construção de uma mentalidade de produção e consumo consciente da moda em Brasília. Destacamos que tudo isso tem que ser construído de forma gradual e partindo da educação num processo colaborativo. Cada empresa ligada à moda que atender a esse chamado, seguramente irá sentir o impacto positivo, o que refletirá em toda a cadeia, explica Ana Beatriz Goldstein.

Para ela, a maior importância do evento é “construir uma cadeia produtiva da moda que seja humanizada, que considere e valorize a diversidade, o produto feito à mão, a conexão do local com global, promovendo o desenvolvimento sustentável, a partir do entendimento de que o ato de vestir, mais do que uma expressão de identidade, é uma poderosa ferramenta de fortalecimento do arranjo produtivo local do segmento da moda. ”

Moda e inclusão de pessoas com deficiência

O desfile do grupo Concretamente Brasília se junta ao projeto Rompendo Barreiras para apresentar na passarela do   Moda Connect Brasília, um desfile com peças de vestuário confeccionados por artesãos e profissionais da manualidade, com complementos e acessórios produzidos com insumos reciclados e automações feitas por meio da robótica. O projeto Rompendo Barreiras agrega jovens com limitações físicas, paraplégicos e tetraplégicos que, por meio da tecnologia assistiva e em parceria com jovens sem deficiência, exercem as atividades de criação e produção da coleção.

Produtos como garrafas pet, materiais plásticos e lixo eletrônico são transformados em complementos e acessórios colocados em vestidos, camisas, bolsas, colares e pulseiras que foram confeccionados pelo grupo de artesãos e costureiras do Concretamente Brasília. O projeto acontece dentro do campus da Estrutural do Instituto Federal de Brasília (IFB), um dos apoiadores do projeto, coordenada por professores do quadro e professores voluntários, com aparelhagem provida pelo Instituto Hands Free e pela   ONG Programando o Futuro, com o apoio do Instituto Brasileiro de Informação, Ciência e Tecnologia (IBICT).

Quatro alunos com limitação física –  tetraplegia e paraplegia – e quatro sem limitação, estão envolvidos no processo de criação e produção das peças. “Nossa intenção é colocar no holofote da moda a causa da pessoa com deficiência,  demonstrando como  a  capacidade e a  criatividade,  latente em  cabeças  ávidas  para participarem   dos processos produtivos ,  podendo gerar  riquezas para o país, não podem ser limitadas por  corpos  impossibilitados de exercerem  todas as funções , e como a real  inclusão, poderá  formar  profissionais com olhares mais humanos e sensíveis a diversidade,   explica a idealizadora, professora Ana Beatriz Goldstein.

O Grupo Concretamente Brasília foi criado em 2013 com o propósito de agregar os artesãos do DF e entorno, com foco no fortalecimento da cultura local, geração de renda e respeito ao meio ambiente. Hoje é composto por 300 artesãos e trabalhadores manuais. Unem-se aos jovens do Projeto Rompendo Barreiras, tetraplégicos e paraplégicos com o cognitivo preservado, que, por meio de tecnologias assistivas, estão criando e produzindo estas peças e elementos que serão vistos na passarela.

Programação

18h – Talk Show sobre produção e consumo consciente com Geni Ribeiro, Francisca Vieira e Paula Boldrini

19h – Apresentação do Projeto Música e Cidadania: Orquestra Sopro Sinfônica

20h – Lançamento no Brasil da marca Ana Carttori: maquiagem orgânica e vegana – brasiliense que mora em Nova York

20h30 – Homenagens – personalidades que influenciaram a moda e o desenvolvimento do Distrito Federal

21h – Desfiles:

Natural Cotton Color: empresa paraibana que apresentará sua coleção feita exclusivamente com o algodão colorido da Paraíba, desenvolvido pela Embrapa sem uso de aditivos e corantes.

Desfiles de talentos descobertos no Capital Fashion Week

Grupo Concretamente Brasília: composto por artesãos de todo o Distrito Federal e entorno, que irão apresentar peças confeccionadas com materiais reciclados feitos por artesãos, microempreendedores, designers, professores e estudantes com e sem deficiência física, do projeto Rompendo Barreiras (robótica inclusiva).

Serviço

Moda Connect Brasília

Dia 26 de novembro, às 18h

Clube Cota Mil (Setor de Clubes Esportivo Sul – Trecho 2)

Entrada: inscrições na bilheteria do evento (vagas limitadas), mediante a doação de 2kg de alimento não-perecível

Apoio: Sindvest, Ibict, IFB-DF, Sebrae-DF, FIBRA, Senac – DF, Programando o Futuro – Estação de Metarreciclagem, Grigório Toldos Decorações, Sweet Cake, Maria Amélia, Clube Cota Mil,  RSC2 Produções, Espaço Contemporâneo, Perboni Brasil, Casa do Chocolate, Natural Cotton Color e Instituto Hands Free

(8)

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *