Início DesCONSTRUINDO com Elaine Carneiro Taxa prefixada da Caixa movimenta o mercado imobiliário ainda mais
Taxa prefixada da Caixa movimenta o mercado imobiliário ainda mais

Taxa prefixada da Caixa movimenta o mercado imobiliário ainda mais

8
0


A nova modalidade é válida tanto para imóveis novos quanto usados
A retomada do mercado imobiliário já vem sendo pauta na agenda de muitos bancos. Não é novidade que as instituições financeiras têm negociado o empréstimo de recursos a várias empresas na intenção de injetar recursos no mercado e ativar toda a cadeia em que a construção civil impacta.
Foi com esse otimismo que a Caixa Econômica Federal saiu na frente e mostrou que está apostando fortemente no aquecimento do mercado imobiliário esse ano, lançando a taxa de juros prefixada. Significa que será possível que o comprador saiba a taxa de juros efetivos ao longo do financiamento.
Hoje, quando se compra um imóvel, trabalha-se com taxa pós-fixada. Basicamente os juros são corrigidos pela TR (taxa referencial), que hoje está praticamente 0. Para fazer o cálculo o Banco Central toma como base as taxas de juros das Letras do Tesouro Nacional, ela já esteve em 31,6% em 1995, ou seja, em momentos de elevação da taxa, as prestações são calculadas de acordo com a TR vigente independente do tempo pago ou do valor da prestação.
A outra maneira de se calcular os juros é pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) que varia praticamente de acordo com a inflação. O IPCA funciona como um termômetro e tem como objetivo monitorar a variação dos preços dos produtos de mercado para o consumidor final. As variações são atreladas à taxa básica de juros e à Selic. É outra maneira arriscada de se contratar um crédito, pois a inflação hoje está controlada, mas é incerta.
Agora, com a taxa prefixada o cliente que tem relacionamento com a Caixa, por exemplo, pagará entre 8 e 9,5% ao ano, já os que não têm, deverão pagar uma taxa de 9,75% ao ano. Imagine só, pagar uma taxa fixa de juros durante o financiamento de um imóvel a menos de 0,7% ao mês? Isso independente do tempo de pagamento. É como se os juros efetivos “congelassem” durante todo o seu financiamento e independente da inflação ou de quaisquer oscilações de mercado.
A amortização das prestações será tanto pelo Sistema de Amortização Constante (SAC), quanto pela Price. Lembrando que na SAC as prestações são regressivas e podem durar até 30 anos, na Price, fixas e podem durar até 20 anos. Para essa nova categoria, a Caixa disponibilizará R$ 10 milhões em recursos, isso porque esse valor é o que já está segurado na nova modadalidade.
Quem possui financiamento imobiliário com outros bancos, podem fazer a migração para a nova modalidade, no entando, quem possui financiamento junto à Caixa pela TR ou IPCA ainda não poderá optar pela nova modalidade. Mas o banco ainda estuda fazer a migração interna dos financiamentos.

(8)

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *