Início MODA VISTA-SE COMO QUISER: VEJA 12 REGRAS DA MODA QUE NINGUÉM PRECISA SEGUIR
VISTA-SE COMO QUISER: VEJA 12 REGRAS DA MODA QUE NINGUÉM PRECISA SEGUIR

VISTA-SE COMO QUISER: VEJA 12 REGRAS DA MODA QUE NINGUÉM PRECISA SEGUIR

0
0
Rafaela Vilasboa

Algumas escolhas de estilo foram vistas como obrigações durante anos, mas deixaram de fazer sentido há um bom tempo
Dicas e tendências de moda podem ser grandes aliadas do dia a dia, mas não devem ser lidas como regras absolutas. Afinal, desenvolver o próprio estilo é uma descoberta diária, e nada mais divertido do que aprender o que funciona (ou não) para você de acordo com o seu próprio olhar. Combinar a cor do sapato com a da bolsa, por exemplo, deve ser uma escolha de styling e não uma obrigação. A coluna selecionou uma lista com algumas dessas visões que, atualmente, podem ser consideradas ultrapassadas. Afinal, ninguém deve escolher o que você pode usar ou não.

Vem comigo conferir 12 “regras” da moda que ninguém precisa seguir!

1. “TODO MUNDO DEVERIA TER UM(A)…”

Ninguém é obrigado a ter nada, comece por aí. Conteúdos de moda têm a função de servirem como inspiração, mas você não precisa ter uma coleção de it bags ou produtos do momento para ter estilo. Com o debate sobre sustentabilidade se aprofundando cada vez mais na indústria fashion, o próprio hábito de colecionar deixa de fazer sentido.

A máxima do “menos é mais”, agora, é aplicada também ao consumo. Nada mais chique do que usar várias vezes, reformar e passar adiante aquilo que não desejar mais. Dessa forma, é possível dar espaço a escolhas conscientes e mais alinhadas com quem você é. Além do mais, se “todo mundo tem que ter” determinado produto, qual é a graça de ser igual a todo mundo?

2. “MOLETOM NÃO COMBINA COM SALTO”

A quarentena desafiou várias regras da moda. Ao mesmo tempo, os moletons viraram a roupa favorita de muitas pessoas. Os últimos meses mostraram que essas peças são mais versáteis do que se imaginava e podem, inclusive, compor muitos looks confortáveis, combinados a itens mais elegantes. Um deles é o salto alto. Por que não? Misturar moletom com o calçado, que é sinônimo de elegância e sensualidade, rende uma mistura bem equilibrada. A combinação pode até não agradar a todos, mas está longe de ser proibida.

3. “VESTIDO NÃO COMBINA COM TÊNIS”

Sabe um detalhe que Serena Williams e Kristen Stewart têm em comum, além de serem celebridades bem sucedidas? Ambas já usaram tênis com vestido no tapete vermelho, desafiando completamente a ideia antiquada de que saltos são a única opção para essas ocasiões (o Festival de Cannes, por exemplo, exige o uso de salto no red carpet). Os sneakers injetam um ar descolado e descontraído ao visual com vestidos, independentemente do comprimento. No dia a dia, são opções confortáveis que deixam qualquer look mais leve.

4. “NÃO SE USA PRETO E AZUL-MARINHO, OU PRETO E MARROM”

Se preto e azul-marinho são cores neutras, assim como o marrom, por que não podem ser combinadas? Há quem acredite que são tons que não ornam por serem escuros, ou por terem muita cara de inverno. No entanto, ambas são combinações sóbrias e chiques, que podem dar origem a vários looks com uma pegada mais discreta e elegante, mesmo no verão!

Para fazer matches ainda mais interessantes, vale investir em texturas ou sobreposições de peças que deem mais destaque para o que cada tonalidade tem a oferecer. Em cores escuras, especialmente, texturas fazem toda a diferença. Além disso, um truque pode ser dar um destaque maior para uma das duas cores e usar a outra como complemento.

5. “NÃO MISTURE METAIS DE CORES DIFERENTES”

Misturar joias com metais de diferentes cores, especialmente ouro e prata, foi um tabu durante muito tempo. O mix de metais injeta diversão e pode, sim, ser uma combinação complementar. Se você curte ouro branco, amarelo e rosé, por que não usar todos juntos de uma vez, ou mesclar dois de cada vez? A escolha é sua!

6. “NÃO REPITA ROUPAS”

Como a coluna já mostrou anteriormente, a ideia de eleger trajes de ocasiões importantes somente uma vez já ficou para trás até para algumas celebridades. Cate Blanchett, por exemplo, vez ou outra reaparece com algum longo de anos atrás em um tapete vermelho. Sua xará, Kate Middleton, também é conhecida por repetir vestidos. Afinal, por que comprar algo que você vai usar só uma vez? Se a sua intenção é essa, pense na possibilidade de alugar, uma escolha mais consciente com o meio ambiente neste caso.

7. “A BOLSA SEMPRE DEVE COMBINAR COM O SAPATO”

Assim como outras “regras”, combinar bolsa e sapato não é proibido, mas também não é uma obrigação. Hoje em dia, há quem prefira até evitar o match das duas peças, harmonizando a bolsa com outros detalhes do visual. No fim das contas, vai de acordo com o seu gosto, e o mesmo vale para cinto e sapato. Assim como a cor não precisa ser a mesma, o material também não. Essa imposição vem da década de 1950, quando as mulheres compravam conjuntos que seriam usados em diversas ocasiões e durariam muitos anos, segundo a Vogue Britânica.

8. “VISTA-SE DE ACORDO COM O SEU PESO OU IDADE”

Tudo que servir no seu corpo, for confortável e agradar a você é bem-vindo. Se você é uma pessoa gorda, decotes, listras e peças brancas estão mais do que liberadas. O mesmo vale para a idade. A estilista Vera Wang, por exemplo, esbanja jovialidade aos 71 anos, com produções alinhadas ao street style: shorts, leggings, peças com comprimento mini, harmonizadas com um bom par de saltos. Ela não também aposta em um bom par de tênis com solado chunky para uma produção com ar mais esportivo.

Peças consideradas mais jovens, como calças skinny e calçados da Converse, por exemplo, funcionam em qualquer idade. Nunca é tarde para se divertir com o próprio estilo.

9. “NÃO MISTURE ESTAMPAS”

Você já deve ter ouvido que é errado combinar listras e xadrez. Ou que nunca se deve misturar outros motivos, especialmente prints animais. Se você já assistiu a um desfile de Richard Quinn ou da Versace, sabe que essa proibição caiu por terra há muito tempo.

Na verdade, mix de estampas tem tudo pra ser uma escolha cheia de informação de moda e divertida. No caso de xadrez e floral, por exemplo, vale investir em peças estampadas que tenham cores semelhantes, mas escalas e tamanhos diferentes. A cor predominante pode guiar todo o resto. Um listrado preto e branco, por exemplo, pode cair bem com um xadrez nas mesmas cores, piet de poule ou bolinhas.

10. “PEÇAS ESPORTIVAS E TÊNIS SÃO SÓ PARA ACADEMIA”

A cultura streetwear abraçou o mood esportivo de vez e integrou ao estilo do dia a dia diversos itens que antes se limitavam à prática de atividades físicas. As irmãs Kardashian-Jenner estão aí para provar que a pegada athleisure veio para ficar. Bermudas de ciclista e calças jogger, por exemplo, são peças frequentes no visual de Kim Kardashian West e Kylie Jenner.

Quando se trata de tênis, já fazem décadas que eles são muito mais do que instrumentos de performance. Nos últimos anos, até os modelos mais chunky, para prática de corrida e exercícios, se tornaram tendência de street style. Combinando de maneira harmônica, tem tudo pra funcionar.

11. “MULHERES ALTAS NÃO DEVEM USAR SALTO”

Além de ultrapassada, esta “regra” tem um teor machista. Quem disse que mulheres altas não podem ficar ainda mais altas? Os homens, por se sentirem intimidados? Isso jamais deve ser um motivo. Karlie Kloss, Blake Lively, Taylor Swift e Nicole Kidman são ótimos exemplos de mulheres altas que arrasam quando elegem um belo par de saltos. Swift, inclusive, chegou a abordar isso na canção Begin Again: “Ele não gostava quando eu usava salto alto, mas eu gosto”.

12. “É PRECISO GASTAR MUITO PARA TER PEÇAS DE QUALIDADE”

Apesar de etiquetas de luxo serem conhecidas por oferecerem produtos de qualidade por preços caríssimos, isso não quer dizer que marcas acessíveis não tenham produtos bons, bonitos e duráveis. Na hora de comprar, vale reparar no acabamento, na composição do tecido, corte, estrutura e caimento. Prestando atenção em todas essas características, certamente você fará boas escolhas, independentemente da loja.
Para garantir que as peças durem bastante, é importante conservar de maneira adequada. Lavar menos, seguir os cuidados indicados na etiqueta e usar menos o ferro de passar já rendem uma boa ajuda.

Colaborou Hebert Madeira
Fonte: Metrópoles

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *